Commits

Anonymous committed 6462996

doc pt_BR: quick.txt

Comments (0)

Files changed (1)

doc/source-pt_BR/quick.txt

+*************************
+Guia Rápido do TortoiseHg
+*************************
+
+.. module:: tour
+	:synopsis: Uma introdução suave de como usar o TortoiseHg no Windows
+
+Benvindo ao TortoiseHg e ao Mercurial!
+O TortoiseHg é um conjunto de aplicações gráficas e uma extensão *shell*
+que servem como uma interface amigável para o sistema de controle de versão distribuído Mercurial.
+
+Toda a funcionalidade do TortoiseHg está distribuída em três partes:
+
+* A aplicação :command:`Workbench`
+
+  Você pode iniciar o Workbench a partir do Menu Iniciar,
+  ou clicando com o botão direito no Desktop e selecionando :menuselection:`Hg Workbench`.
+
+  .. figure:: figures/desktop-workbench.png
+	:alt: Menu Menu de Contexto do Desktop
+
+    Inicia o Workbench a partir do Desktop
+
+* Menu de contexto do :command:`File Explorer` (antigo Windows Explorer)
+
+  Tudo que você precisa fazer é clicar com o botão direito na pasta ou arquivos do Explorer
+  e selecionar a opção do menu de contexto.
+
+* Aplicação de linha de comando :command:`thg`
+
+  Digite os comandos apropriados a partir de qualquer interface de linha de comando
+  na forma :kbd:`thg <comando> [opções]`.
+
+
+Neste guia rápido,
+gostaríamos de iniciá-lo no TortoiseHg usando o Workbench,
+mas também indicaremos como fazer a mesma ação de outras formas.
+
+Os comandos do Mercurial também estão disponíveis a partir da aplicação padrão de linha de comando
+:command:`hg`.
+
+
+Configurando o TortoiseHg
+=========================
+
+O primeiro passo deve ser garantir que você seja identificado corretamente no TortoiseHg.
+Isto é feito a partir da caixa de diálogo de configurações globais.
+No menu do Workbench, selecione  :menuselection:`Arquivo --> Configurações...`.
+No Explorer, escolha :menuselection:`TortoiseHg --> Configurações Globais` no menu de contexto.
+Na linha de comando, digite :command:`thg userconfig`.
+
+.. figure:: figures/settings.png
+	:alt: Settings Dialog
+
+    Diálogo de Configurações do TortoiseHg
+
+Selecione a página :guilabel:`Consolidação` e digite seu nome e email
+no campo :guilabel:`Nome de usuário`.
+
+.. note::
+    Se você não configurar o nome de usuário,
+    o TortoiseHg pedirá essa informação a cada consolidação,
+    que é quando essa informação é necessária pela primeira vez.
+
+.. note::
+
+    Não há regras rígidas de como formatar seu nome de usuário.
+    O campo disponível aceita qualquer texto,
+    mas a convenção recomendada é:
+
+        Nome completo <email>
+
+    por exemplo::
+
+        Fulano de Tal <fulanodetal@exemplo.com.br>
+
+    O endereço de email não é apresentado no visualizador do histórico e
+    o servidor embutido ofusca os endereços de e-mail para evitar SPAM.
+
+Em seguida,
+selecione a página :guilabel:`TortoiseHg` e selecione a opção
+:guilabel:`Utilitário de Merge de 3 vias`.
+A lista apresenta todas as ferramentas detectadas
+(o KDiff3 é fornecido no instalador do Windows) e também alguns algoritmos internos de mesclagem.
+Selecione sua opção preferida.
+
+Se preferir que o TortoiseHg use o mesmo utilitário de mesclagem para visualizar as diferenças,
+deixe o campo :guilabel:`Ferramenta de Diff Visual` em ``<não especificado>``.
+Senão, selecione a sua opção preferida entre as alternativas possíveis.
+
+Se não houver opções na lista,
+você deve instalar uma ferramenta das ferramentas suportadas listadas em :file:`mergetools.rc`
+ou configurar uma ferramenta própria.
+
+.. note::
+
+    Se você instalou o TortoiseHg a partir do código-fonte,
+    é necessário adicionar o arquivo :file:`contrib/mergetools.ini` ao caminho HGRC de alguma forma.
+    Um jeito é usar a diretiva *%include* no seu próprio arquivo :file:`~/.hgrc`.
+
+Fique à vontade para configurar outras configurações globais.
+Você terá chance de sobrescrever essas configurações locais depois
+através das configurações locais do repositório se necessário.
+
+Clique no botão :guilabel:`Ok` para salvar as mudanças e fechar a caixa de diálogo.
+
+.. note::
+
+    A maior parte das configurações alteradas tem efeito imediato,
+    mas a instalação e desinstalação de extensões
+    geralmente exigem a reiniciação de todas as aplicações abertas
+    para que as mudanças sejam efetivadas.
+
+Familiarização
+==============
+
+O Mercuria suporta vários `modelos de colaboração <https://tortoisehg.bitbucket.org/hgbook/1.7/collaborating-with-other-people.html>`_.
+Este capítulo descreve um desses modelos, baseado em um único repositório central.
+Este modelo é o mais familiar para aquelas pessoas vindas de outras ferramentas
+e, por isso, é a abordagem mais comum a partir da qual as pessoas começam.
+
+Para iniciar, suponha que você seja o responsável por criar um repositório central.
+Há algumas maneiras de `converter <http://mercurial.selenic.com/wiki/RepositoryConversion>`_
+repositórios não-Mercurial para repositórios do Mercurial,
+mas este exemplo assume que você está começando do zero.
+
+
+Iniciando o Repositório
+=======================
+
+Crie o repositório em sua máquina local:
+
+No Workbench, selecione :menuselection:`Arquivo --> Novo repositório...`.
+Pelo Explorer, selecione :menuselection:`TortoiseHg --> Criar Repositório Aqui`.
+Pela linha de comando, execute :command:`thg init`.
+
+Você pode fazer isso a partir do diretório onde se deseja criar o repositório,
+ou fornecer o caminho correto na caixa de diálogo.
+Você só precisa fazer isso uma vez no diretório raiz do projeto.
+
+.. figure:: figures/init.png
+	:alt: Caixa de Diálogo de Iniciação de Repositório
+
+	Diálogo de Iniciação de Repositório
+
+Sugerimos que você mantenha selecionada a opção :guilabel:`Adicionar arquivos especiais (.hgignore, ...)`
+e não selecione a opção :guilabel:`Tornar o repositório compatível com Mercurial < 1.7`
+a não se que tenha uma boa razão para isso.
+
+Depois de pressionar o botão :guilabel:`Criar`,
+o Mercurial cria um subdiretório na raiz do projeto de nome :file:`.hg`
+que é onde o Mercurial mantém todos os dados versionados.
+Esse subdiretório é chamado de *repositório* enquanto que o diretório contendo os arquivos-fonte
+é chamado de *diretório de trabalho*.
+Você não precisa especificar o diretório :file:`.hg` quando estiver executando os comando.
+Apenas a raiz do diretório de trabalho é necessário.
+Só foi mencionado aqui para um melhor entendimento de como o Mercurial funciona.
+
+O novo repositório também será adicionado ao Registro de Repositório
+quando essa operação é executada a partir do Workbench.
+
+.. warning::
+    É perigoso editar manualmente os arquivos no diretório :file:`.hg`
+    pois pode corromper o repositório.
+    Provavelmente, a única exceção é para editar o arquivo :file:`.hg/hgrc`.
+
+.. note::
+    Talvez você já tenha criado um ou mais repositórios.
+    Para gerenciá-los pelo Workbench ao mesmo tempo,
+    você pode adicioná-los através do menu :menuselection:`Arquivo --> Abrir Repositório...`
+    ou arrastando o diretório do Explorer até o painel de Registro de Repositórios.
+
+
+Adicionando Arquivos
+====================
+
+Agora é hora de dizer ao Mercurial quais arquivos devem ser rastreados.
+Há várias maneiras de se fazer isso:
+
+* Workbench: vá à aba de consolidação,
+  clique com o botão direito sobre o arquivos e selecione :menuselection:`Adicionar`
+  no menu de contexto.
+  Isso mudará o status desse arquivo para 'A' e o nome do arquivo aparecerá verde.
+
+* Explorer: selecione :menuselection:`TortoiseHg --> Adicionar Arquivos...` no menu de contexto.
+  Uma caixa de diálogo aparecerá para que você marque os arquivos e aceite a operação.
+  Também é possível abrir a ferramenta de estado selecionando
+  :menuselection:`TortoiseHg --> Status de Arquivos`.
+  Marque os arquivos que você quer adicionar e selecione :guilabel:`Add`
+  no menu de contexto do arquivo.
+
+* Linha de comando: digite :command:`thg status`.
+
+* Não adicione os arquivos agora e deixa que a ferramenta de consolidação
+  adicione-os implicitamente.
+  A ferramenta de consolidação é muito similar à ferramenta de estado e
+  permite que você faça todas as mesmas tarefas.
+  Nesta ferramenta, você pode adicionar e consolidar um arquivo não rastreado
+  marcando-o e selecionando :guilabel:`Consolidar`.
+
+
+Ignorando Arquivos
+==================
+
+Talvez você tenha alguns arquivos na árvore de diretórios de seu repositório
+que não devam ser rastreados. Podem ser resultados intermediários de uma construção
+que você não deseja apagar imediatamente,
+ou arquivos que o seu editor gera etc.
+Você pode marcar esses arquivos como ignorados de diferentes maneiras:
+
+* Workbench: na aba de consolidação, clique no arquivo com o botão direito
+  e selecione :menuselection:`Ignore...` no menu de contexto para abrir
+  a caixa de diálogo do filtro de ignorar.
+
+* Explorer: selecione :menuselection:`TortoiseHg --> Editar filtro de ignorar`.
+
+* Linha de comando: digite :command:`thg ignore` para abrir a caixa de diálogo do filtro de ignorar.
+
+* Você também pode lançar o filtro de ignorar a partir da ferramenta de status
+  (a opção do menu chamada :guilabel:`Ignorar`).
+
+Escolha um arquivo da lista ou digite um filtro *Glob* ou uma *expressão regular*
+e então pressione :guilabel:`Add`.
+As mudanças no filtro de ignorar são reconhecidos imediatamente.
+
+.. note::
+    O arquivo :file:`.hgignore` fica na raiz do diretório de trabalho
+    e geralmente é rastreado.
+
+.. note::
+    É uma boa prática não ter muitos arquivos *desconhecidos* no diretório de trabalho
+    já que isso acaba confundindo na hora de adicionar novos arquivos que são importantes.
+    É recomendado que você mantenha seu arquivo :file:`.hgignore` atualizado.
+
+Consolidando
+============
+
+A consolidação do repositório pode ser feita das seguintes formas:
+
+* Workbench: clique na revisão do diretório de trabalho que também seleciona a aba de consolidação,
+   ou selecione diretamente a aba de consolidação.
+
+* Explorer: clique com o botão direito em qualquer lugar da pasta
+   ou no próprio diretório e então selecione :guilabel:`Commit (Consolidar)...`.
+
+* Linha de comando: digite :command:`thg commit`.
+
+Escreva a mensagem de consolidação, selecione os arquivos a serem consolidados e então
+pressione :guilabel:`consolidar`.
+
+.. figure:: figures/commit.png
+	:alt: Diálogo de Consolidação
+
+    Ferramenta de Consolidação
+
+
+Compartilhando o Repositório
+============================
+
+Agora você está pronto para compartilhar seu trabalho.
+Você pode fazer isso através de uma cópia de seu repositório em um local público
+em que todos do seu grupo podem ler.
+O Mercurial chama essa operação de *clonar seu repositório*.
+
+Para clonar seu repositório em um repositório compartilhado,
+há algumas alternativas:
+
+* Workbench: selecione :menuselection:`Arquivo --> Clonar Repositório...`
+* Explorer: selecione :menuselection:`TortoiseHg --> Clonar...` a partir do menu de contexto.
+* Linha de comando: digite :command:`thg clone`
+
+Então, forneça o caminho de destino e clique em :guilabel:`Clonar`.
+
+.. figure:: figures/share.png
+	:alt: Diálogo de Clonagem
+
+	Diálogo de Clonagem
+
+Quando se cria um clone com a finalidade de gerar um *repositório central*,
+não há razão para que o clone tenha um diretório de trabalho.
+Por isso, marcar a caixa :guilabel:`Não atualizar o novo diretório de trabalho` em :guilabel:`Opções`
+evitará que o Mercurial popule o diretório de trabalho do repositório central sendo criado.
+Ele apenas terá o diretório :file:`.hg` que armazena todo o histórico de revisão do projeto.
+
+Outros membros da equipe podem clonar esse repositório sem marcar essa opção.
+
+
+Clonando o repositório do grupo
+===============================
+
+Você deseja começar a colaborar com sua equipe.
+Eles lhe pedem algo como *atualize seu repositório a partir de x*.
+O que isso significa? Significa que você deve fazer uma cópia do repositório localizado em x
+em sua máquina local.
+Mercurial chama isso de clonagem e o TortoiseHg tem um diálogo específico para isso.
+
+* Workbench: selecione :menuselection:`Arquivo --> Clonar Repositório...`
+* Explorer: selecione :menuselection:`Tortoisehg --> Clone...` no menu de contexto.
+* Linha de comando: digite :command:`thg clone`
+
+Em seguida, forneça o caminho de destino e clique em :guilabel:`Ok`.
+
+.. figure:: figures/clone.png
+	:alt: Clone dialog
+
+	Clone Dialog
+
+Desta vez, é necessário atualizar o diretório de trabalho porque você trabalhará no projeto.
+Sob a seção :guilabel:`Opções`, desmarque a opção :guilabel:`Não atualize o diretório de trabalho`
+para que o Mercurial atualize o diretório de trabalho na revisão *tip* no seu novo clone.
+
+
+Trabalhando com seu repositório
+===============================
+
+Suponha que você tenha feito algumas mudanças.
+É fácil descobrir quais as mudanças pendentes:
+
+* Workbench: vá para a aba de consolidação e inspecione a lista de arquivos à esquerda.
+  Quaisquer arquivos marcados com 'A' (Adicionado, verde),
+  com '?' (não versionado, mas não ignorado, magenta),
+  com 'M' (Modificado, azul) ou com '!' (removido, vermelho)
+  indicam mudanças pendentes que devem ser consolidadas.
+
+  A aba de consolidação no Workbench fornece um mode de ver as diferenças nos arquivos
+  ou você pode usar a ferramenta visual (KDiff3).
+  O Mercurial permite que você consolida várias mudanças antes de decidir
+  sincronizar (compartilhar as mudanças) com o repositório do grupo.
+
+* Explorer: pastas e arquivos recebem indicações visuais de seus estados através de ícones.
+  Você pode navegar por diretórios e inspecionar esses estados,
+  embora seja mais rápido fazer isso pela aba de consolidação no Workbench.
+
+  .. figure:: figures/overlayicons.png
+   	:alt: Ícones de Estado
+
+   	Ícones de Estado no Windows Vista
+
+* Linha de comando: digite :command:`thg commit`
+
+Quando estiver pronto para publicar suas mudanças,
+
+#. Consolide suas mudanças no repositório local (veja acima).
+#. Envie suas mudanças ao repositório do grupo usando a opção
+   :menuselection:`TortoiseHg --> Workbench` ou :command:`thg log`,
+   selecione a aba de Sincronização,
+   escolha o caminho do repositório do grupo e clique em :guilabel:`Pull`.
+#. Mescle as revisões trazidas com as locais e consolide a mesclagem no repositório local.
+   Na seção do visualizador do histórico (:menuselection:`TortoiseHg --> Workbench` ou
+   :command:`thg log`), abra o menu de contexto sobre a revisão que você deseja mesclar
+   e seleciona :guilabel:`Mesclar com local...`.
+   Finalmente, no diálogo de mesclagem, pressione :guilabel:`Mesclar` e em seguida :guilabel:`Consolidar`.
+#. Garanta que o trabalho mesclado ainda seja construível e passe pelo conjunto de testes.
+#. Envie suas mudanças ao repositório do grupo através da aba de sincronização do Workbench.
+   Selecione o caminho do repositório do grupo e então clique no botão :guilabel:`Push`.
+
+É mais simples do que parece.
+
+.. note::
+	Mesclagens podem ser reiniciadas se necessário.
+
+O Mercurial torna a colaboração fácil, rápida e produtiva.
+Aprenda mais nas páginas `Wiki do Mercurial <http://mercurial.selenic.com/wiki/>`_.
+
+.. vim: noet ts=4